ARTE: La Gioconda

La Gioconda, ou Mona Lisa, é o quadro mais conhecido de Leonardo da Vinci. Segundo Lemos (2004), da Vinci desenvolveu uma nova maneira de pintar a partir de sua incessante busca pela representação perfeita e do estudo da natureza e de seus fenômenos. Ele percebeu que não era possível representar o mundo através de traços duros, porque eles não existem na vida real. Para ele, os contornos só serviam ao desenho e, diante dessas observações, criou o sfumato ou "esfumado". O conceito é esfumaçar as cores, não utilizando linhas, fazendo a fusão das cores para que se transformassem em formas diante dos olhos do espectador. Eram utilizadas várias camadas transparentes de cor, chamadas velaturas, até alcançar o efeito desejado. A forma deveria ser um pouco indefinida para que o observador procurasse defini-la com seus próprios olhos, o que atraía a curiosidade e criava a magia de sua pintura. Essa técnica está presente principalmente no rosto da Mona Lisa, aplicada nos cantos dos olhos e de seus lábios.


Fonte: Disponível em: <http://www.felipejuca.com/
visualizar.php?idt=1905303>. Acesso em: 15 fev. 2016.

O quadro se encontra exposto no Museu do Louvre, em Paris, desde 1793 sendo sua trajetória conturbada. Em 1516, da Vinci o vendeu para o rei da França, Francisco I, seu novo empregador. A partir daí teve outros donos, entre eles, Napoleão Bonaparte.

Mas quem é a mulher representada na pintura? Segundo Lemos (2004), as especulações sobre a composição da obra são as mais variadas. Para alguns, da Vinci pintou a mulher ideal, ou a sua própria mãe; outros dizem que ela era sua amante ou de um de seus mecenas; os traços andróginos do rosto estimulam teorias de que por trás da identidade da Mona Lisa está um auto-retrato do pintor. Outra especulação é que a Mona Lisa estaria grávida quando posou para da Vinci, pois suas mãos estão levemente inchadas e se posiciona protegendo o ventre, típico de gestantes.

LEMOS, I. Pintura - Mona Lisa faz 500 anos. Ciência e Cultura, v. 56, n. 2, 2004. Disponível em: <http://cienciaecultura .bvs.br/scielo.php?pid=S0009-67252004
000200030&script=sci_arttext>. Acesso em: 28 Fev. 2015.